segunda-feira, 11 de abril de 2011

Ocilação

Em Defesa De Pandora



Apenas o tempo e eu
Talvez um mundo inanimado qual tento dar vida
Frágil existir
Entre Tom Sawyer e Heigs
Ou em aventuras, ou sentindo o 'uivar' dos ventos
Apresento-me como alguém que deseja ser conhecido
E desisto quando apenas querem que eu os conheça
Devo me aventurar por Lilliput e em tais futilidades?
Ou simplesmente ser intermediário entre dunas escaldantes?
Creio que meus perguntares e responderes
Romperam em fuga e pleiteio agradeçer à Pandora
Não que queira me isentar de meus próprios males
Mas pleiteio assumir tal exposição de males
Pleiteio abrir minha prória caixa
E atravéz dela
Expor a cada ser
Sua própria caixa!


Arte: Pandore, par Jules Joseph Lefebvre, 1882, collection privée


Sem Guia?



Qual olhar insiste ver além do que se sente?
Qual boca diz palavras, sem antes as ter vivido?
Qual manipulador torpe, incita algo que não viveu?
Há dores e dores
Duplicidade verbal e factual são bem distintas
Então quem ouve?
Apenas quem realmente estiver em sintonia
Ligue o rádio e tente sintonizar a estação...
Não a de primavera à inverno
Mas a de outono e verão
À quem quizer ver
Verá...


domingo, 10 de abril de 2011

Absolutismo



Sempre e sempre
Não foi para ontem e sim, pelo ontem
Não é o agora, é o para sempre
Não existe meio termo
O que não é verdade é mentira
Então, toda verdade é absoluta!

Crisálida



Enquanto tudo se transforma
Tudo se transforma
Adquirimos verdades, mentiras e outras imposições
E o que realmente nos conforta
É a solidez de sermos nós mesmos
Ainda não compreendo
Porque?
Porque ainda, não nos convencemos disso?
Simplesmente o instinto imposto
Supera o instinto próprio...
Não me permito há muito... ser assim
E ainda é bom saber que vale a pena!


Tento Ouvir


 

Desperto, o cérebro choca
A dor se expande
A 'teia', começa a restringir
Escolhas próprias?
Supostos saberes?
Muitos desconhecimentos, acabam revelando
Muitas das supostas conquistas se tornam aprenderes
A dança se torna clássica, não mas 'jazz' moderno
(Se bem que o jazz já não é mais tão atual assim)
Então, a dança se torna triste..
O salão se esvazia...
Não existe mais música no ar...


sábado, 9 de abril de 2011

Ilhado


Não soubesse quem sou
Comportaria-me feito homem maduro
Sem esbravejar, solidez nas palavras
Rimas perfeitas à cada decisão
Mas sou pequeno...
Forte apenas em máscaras que construo
Descobrindo sensibilidades
Acuando do ditar de 'homem sério'
Homem que acumula bens
Que vai para selva de pedra
Que sai para caçada
Que supre a boca de filhos e esposa
Que conta histórias
Bebe
E que ainda se ensoberbesse
Mas
'Inda sei quem sou...

Tempestade (por Débora Tavares)




De súbito a boca acinzenta
e a saliva amarga uma desesperança.
Quisera ficar só, em minha tristeza
mas me contagio com o aço das doenças.
Quisera a armadura do cavaleiro
no instante de céu negro
mas é ao moinho que pertenço.
Minha alma volátil
engole os gritos enfermos.
O corpo dói o peso
e o olho grita
um sussurro
de benevolência.




(arte sumi-ê de Kago Woo)


"Este poema faz parte do meu primeiro livro de poesia, "Nanquim", que será lançado no dia 14 de maio, à partir das 16h, na Livraria da Vila - R. Fradique Coutinho, 915 - Vl. Madalena - SP. Quem sabe possamos nos conhecer pessoalmente! Grande abraço, Débora"
 
Outras maravilhas como esta: http://poemadia.blogspot.com/

À Passos Lentos...


Tão abstrato quanto o verso
Sem mais 'doçurinhas' de adolescência
Só de meus 'adotados'
Toda cor tem seu contribuir
Tudo à seu tempo
Toda velocidade mal administrada
Causa catástrofe!
Todo relógio que conta minutos
'Atropela' segundos!
Toda bela forma
É inteira
Todo pedaço
Sempre será melhor degustado em pequenas porções
Só um segundo...
Quase... um segundo!


quinta-feira, 7 de abril de 2011

Vidência?


Você é você mesmo?
Você se sente como?
Então, porque não vive?
Por que o  que dizem, transtorna quem você é?
Porque essa dor que é tão evidente, não te permite ser. sem que lhe incomode alguém citar?
Então, sem querer ser o dono das razões
Mas apenas um bom observador
Quem causa a dor?
Você mesmo para você, ou quem nem faz parte da sua vida e que você tenta cobrar o que te falta?
Nem preciso dizer que estou aqui, mas digo...
Realmente é uma maldição enxergar além...


quarta-feira, 6 de abril de 2011

Quem Ama Mesmo?



Você Pode Ir Na Janela
Banda: Gram
Se não vai
Não desvie a minha estrela
Não desloque a linha reta

Você só me fez mudar
Mas depois mudou de mim
Você quer me biografar
Mas não quer saber do fim

Mas se vai
Você pode ir na janela

Pra se amorenar no sol
Que não quer anoitecer
E ao chegar no meu jardim
Mostro as flores que falei

Vai sem duvidar,
Mas se ainda faz sentido, vem
Até se for bem no final
Será mais lindo
Como a canção que um dia fiz
Pra te brindar

Você pode ir na janela
Pra se amorenar no sol
Que não quer anoitecer
E ao chegar no meu jardim
Mostro as flores que falei

Você só me fez mudar
Mas depois mudou de mim


Gram,  foi uma banda paulistana de rock alternativo formada em 2002. Antes de seu início, os integrantes tinham uma banda cover de The Beatles, chamada The Beatless, que chegou inclusive a tocar no consagrado Cavern Club em Liverpool. Após o ocorrido, a banda começa a fazer um som próprio e monta a banda Mosva, cantado em inglês, mas dura pouco tempo. Depois de algum tempo, a banda monta o Gram, agora cantando em português. Com o lançamento do videoclipe "Você pode ir na Janela", a banda chama a atenção da Deckdisc que lança em 2004 o primeiro álbum da banda, auto-intitulado. Entre 2004 e 2005, a banda faz vários concertos, toca em festivais como Abril Pro Rock em Recife e o MADA em Natal. Em 2005, a banda lança o álbum ao vivo MTV Apresenta Gram que sai em DVD e CD. No começo de 2006, começam a trabalhar no novo álbum, batizado Seu Minuto, Meu Segundo, lançado em 19 de setembro de 2006.

Fernando Falvo, baterista do Gram, postou no dia 09/07/2007, na comunidade dedicada à banda no orkut, nota afirmando que o grupo encerrara suas atividades.

Seguem alguns trechos da nota publicada por Falvo: "Agradecemos a todas as pessoas envolvidas direta ou indiretamente neste projeto, pessoas que nos abençoaram com trabalho, iniciativa e energias positivas. Aos fãs que sempre são a razão de uma banda existir. Seguramos esta situação o máximo que podíamos na intenção de achar a melhor solução, a mais plausível, eu, o Marco e o Pagotto continuamos com um novo projeto em andamento."


Biografia enviada por JuhMazzoni em 18/3/2009, para o site:
http://www.letras.com.br/

segunda-feira, 4 de abril de 2011

Estação Vida!



Há um doce caminho a percorrer
Uma estrada que nos leva à todos os lugares
Que não nos deixa abandonar os trilhos
Que nos impele aos sonhos
Que nos torna viajantes
A mochila do saber está se enchendo
A paisagem da vivência, repleta de formas e cores
Um acenar distante do que se deixa para traz
Uma lágrima de felicidade
Um friozinho do novo se aproximando!


Homeopatia



De onde se olha, para dentro de onde se vai
Do mais profundo desejar
Ao mais pleno instalar-se
Eis que me vejo pleno
Deparo-me com a 'natureza viva'
O interior de um 'ser' magistral
A garganta esfomeada da floresta
Desejosa por degustar quem a trate
Quem seja alimento para que cresça
Que possamos nos tornar
Farto alimento
Para que dela nunca nos necessitemos
Para que os que a causam indigestão
Sintam o quanto indigestos são
E que a própria queimação de seus atos
Possam ter com anti-ácido
O Frescor da paisagem que hoje renegam!


Regina, o site é demais!

Mt 7:13




Se ouvisse o que tenho para dizer, sem questionar, sem se sentir, o 'escravizar' de minhas palavras ... Palavras, só nos machucam, quando não estamos preparados para ouví-las. Quanto mais nos provocam os outros, mais deveríamos ver que não estamos preparados para sermos inteiros. Mas sempre queremos nos sentir assim. Sempre dizemos antes de sentir! Sempre nos negamos para não demonstrarmos que não entendemos o que o outro nos diz. Para não termos que nos sentir, 'inferiores', ao dizer que:  'não sabia-mos' a informação que o outro nos diz ... Ufa! Não seria mais fácil demonstrar nossas fraquezas? Pois, mesmo que, o outro pense estar 'tirando vantagem', estará perdendo? Simplesmente por estar agindo de 'má fé'!  No fundo, sempre sentimos o que é bom e o que não o é! Não é privilégio meu saber, mas é prazeiroso não me permitir sofrer com tão pequenas coisas... Meu sofrimento só se expõe, quando tudo que tento ser (sendo eu mesmo), fica incabível à mediocridade dos que não querem deixar o medo do sofrer, de lado... Afinal, que 'droga' (alucinógena ou 'terapeutica') causa mais mal? A que se usa para fugir da atual forma em que o homem se permitiu através do tempo, estar vivendo hoje em dia, chamada de 'sociedade', ou aquelas (novelas, futebol , carnaval...) que ele usa para 'nela' sobreviver?
Cada qual, responda ou 'edite' a sua resposta como lhe convir. o que faço, é apenas manifestar um caminuho mais seguro, mesmo sendo mais 'curto'.

O Tempo e Seu Escoar



Quando o abissal passa a se tornar uma mera depressão
(geologicamente falando)
Percebemos que tudo o que se era tão temível, se torna simples
Não é mais o eterno questionar
Não é mais a ausência
Por fim, simples essência!


Esta é para o amigo Runa!


sexta-feira, 1 de abril de 2011

Verdade Sobre A Amizade (Uma Das!)


São poucas as vezes em que me sinto só. O sentimento de solidão, se torna algo dramático, quanto maior o número de amigos que possuímos... A amizade, muitas vezes, parece ser consolidada mais através de nossas próprias carências, do que pela descrição em si da palavra 'amizade': " Amizade (do latim amicus; amigo, que possivelmente se derivou de amore; amar, ainda que se diga também que a palavra provém do grego) é uma relação afetiva, a princípio, sem características romântico-sexuais, entre duas pessoas. Em sentido amplo, é um relacionamento humano que envolve conhecimento mútuo e a afeição, além de lealdade, ao ponto do altruísmo. Neste aspecto, pode-se dizer que uma relação entre pais e filhos, entre irmãos, demais familiares, cônjuge ou namorados, pode ser também uma relação de amizade, embora não necessariamente."(agradeço por existir a Wikipédia, quando menino, teria de andar uns 8 km, só para tentar achar essa informação, isso se conseguisse encontrar na primeira 'biblioteca', se é que ainda se sabe hoje em dia o que isso quer dizer!).
Cada vez que tento definir a palavra amizade em ações, mais complicado se torna. O que não impede ao caro(a), leitor(a), discordar, pois a autenticidade, ainda é para mim, um dos princípios da amizade vivenciada.
Vejo e isso é muito comum, pessoas se dizendo amigas. My Space, Facebook... (que me perdoem as outras redes sociais não citadas aqui!), invadem o mundo virtual, enquanto o verdadeiro sentido da palavra amizade se dilui a cada novo 'espaço' virtual. O espaço vivencial ... Esse, creio que começou a desapareçer, mais ou menos quando deixamos de criar e fazer os brinquedos, para se brincar...
Minha falecida mãe, vivia me dizendo, que suas bonecas eram caroços de manga, que se deixava secar ao sol. Depois se raspavam alguns cabelos em um dos lados para se desenhar bocas e olhos com carvão ou se colar algum retalho de tecido que, (se sobrasse!), das costuras de minha avó. No outro lado, se passava o único pente da família, numa tentativa esperançosa de que os fiapos se parececem com uma 'imitação' de algo que pudesse se chamar de cabelo...
Hoje, 'não mais se existem' imigrantes pobres, sem aconchego. Parecem os 'residentes forasteiros de uma parte qualquer do 'velho' testamento. Todos bem acolhidos ao chegarem de suas 'longinquas' terras de norte nordeste, de qualquer país, de qualquer continente. Na realidade, de qualquer mundo que não é mais 'sub'. E a maior e mais contínuo-crescente emancipação de menores infratores, analfabetos, sem-tetos, sem a menor criatividade passada de pais para filhos, sem jantares em família, sem agressão contra o próximo por não se compreender culturalmente o que o outro quer expressar, sem dúvida nenhuma vai se extinguir. A rede chegou! E com ela, todas as soluções, num simples 'ckick'! A língua estrangeira traduzida em cliques. O diálogo, traduzido em cliques, as próprias manifestações como essa.. cliques!
Estou realmente esperançoso e feliz. Não mais preciso andar 8 km para buscar informações e ainda as uso! Só espero, que nos próximos anos de 'evolução-Luz' em que 'a rede' caminha, sobre-se um pouquinho de espaço para se praticar, fisicamente essa maravilhosa experiência chamada amizade.

Minimizando



Quase sem ar
O mesmo medo que deteriora
Falsamente me protege
Indaga meu ser
Bastardo alter ego!
Chega de ditar o que devo ou não fazer!
Finge que não me escuta...
Garanto que pode me ouvir muito bem!
Quer que viva a sua vida ao invés da minha?
Desfaleça-se antes!
Não vou sentir sua falta!
(Talvez...)
... só um pouco...