sábado, 9 de abril de 2011

Ilhado


Não soubesse quem sou
Comportaria-me feito homem maduro
Sem esbravejar, solidez nas palavras
Rimas perfeitas à cada decisão
Mas sou pequeno...
Forte apenas em máscaras que construo
Descobrindo sensibilidades
Acuando do ditar de 'homem sério'
Homem que acumula bens
Que vai para selva de pedra
Que sai para caçada
Que supre a boca de filhos e esposa
Que conta histórias
Bebe
E que ainda se ensoberbesse
Mas
'Inda sei quem sou...

Nenhum comentário: