segunda-feira, 30 de maio de 2011

Taraxacum Officinale - Não Me Morda Esse Leão

Flores Dente de Leao

Quero flutuar
Desde o mais profundo oceano
Denso ou de leve densidade
À mais alta nuvem
Que evapora que dilui
Quero ser leve e sou
Não quero que me tornem pesado
Não quero ser pesado ou medido
Não quero ser 'cobrado' pelos 'nãos' que se possuem
Apenos digo sim
À vida, ao amor
E que esse seja 'a' verdade
Ouço falar em leveza
Posso sentí-la em meu dia-à-dia
Quero o voo da borboleta
Mesmo em sua curta vida
Quero a vida e a vivo
Quero preocupações comigo também!
Sou apenas o que flutua tão explicitamente que causa dor?
Devo me culpar por isso também?
Justo eu que injustiçado vejo a leveza...
Não sou de 'peso' extremo
Sou o ar por onde plainam as aves
Sou a termal terna
Sabes mesmo quem sou?
Sei quem sou e do que não gosto
Flutuo por entre dores alheias e não sei não demonstrar as minhas
Só sei ser o amor que sou
Que compreendem em minhas palavras ao ponto de me desejarem
Não consigo desejar alguém que não se ame ao ponto de se sentir agredido com isso
Isso me agride...
Mas não devolvo a agressão, que isso 'pagaria' o bem com o mal
Não choro pelo que não tenho mas sim pelo que não se me permitem
Apenas sou isso
Esse leve flutuar entre o que quero me sentir desejado e o que acham que me desejam, mais por falta de si mesmos do que o tentam ou nem querem construir
Enxergo essa falta e não sei  compreender esse 'não dizer'
Invento (e preciso perder esse hábito,  de criar o incriável) palavras para tentar dizer de acordo com o que se demonstram nescitar
Não se sentem bem... e vêm que posso lhes 'flutuar' esse 'bem'
Repudiam-me por as fazer enxergar o que demonstram e não se apercebem...
Dão-me a famosa 'carta-branca' e  não aguentam um querer além do que querem
Apenas quero flutuar
Não consigo ser o que me fazem ou o que me transferem em suprissão do que pensam que sou capaz de suprir
O que me vêem?...
Por que o meu flutuar incomoda tanto?
Por quê tanta dor enquanto flutuo?
Por quê me querem mas não me aceitam?
Sou apenas esse flutuar à me dissolver ante esse soprar constante do que se sentem falta
Desse eterno querer esquecer do que se dói
Que tanto dói ao se dizer, ou em não ouvir eu te amo...

Nenhum comentário: