segunda-feira, 4 de julho de 2011

Sem Muito Para Dizer - Mais Um Pouco Do Livro Inacabado...

Qual versão ambígua sobre sentimentos existe em prática nos dias atuais? Somos capazes de colocá-la em prática? Vejo em diversificadas formas de relacionamentos, uma estranha tendência a se tornar o outro, cópia exata do que se deseja. Bad! O mal que isso causa é quase irremediável. Devo ter um 'trauma' com relação a isso! Não consigo me apegar a quem quer me moldar. Não acredito que amor seja feito de modelares constantes. Tudo é questão do que realmente se deseja. Quando se ama, se respeita o que e quem o outro é. Obviamente, as similaridades são bem vindas em meio aos trilhares de diferenças existentes. Todos querem o mesmo: Ser feliz! Exceto dois casais que conheço e que ainda me criam expectativas de que se é possível viver em duo, sem ter que se mudar para isso, não consigo me lembrar de mais ninguém. O ceder, torna mesquinho o amor, que é construído e não moldado. O amor sinceramente se contrói em comunhão. Não é homem, não é mulher. Simplesmente amor. Passo concreto de um verdadeiro conviver em parceria, sem ter que se modificar bruscamente  quem se é. Quando se muda em função de algo, denota-se nossa plena utilização do objeto à que se muda, como uma espécie de moleta, falta de algo que gostaríamos de possuir e tenha certeza caro leitor, amor certamente não é posse.  Isso obviamente não se aplica às mudanças diárias do ser humano quanto ao amadurecimento. Impossível ver o amor como moldável e adequando-se às situações como desejamos á bel prazer. A magnitude do amor, está justamente, no fato de ele ser mútuo e não individual. A visão feminina e masculina devem estar em sintonia. O amor só pode ser visto desta maneira. Caso contrário, é paixão. Ah! Paixão! Grande invólucro de carências e tentativas de supri-las. Grande vislumbre de emoções surreais e utópicas de sonhos de felicidade. Universo paralelo de ansiedades circunstanciais. Como viver sem ela? Ah! Tórrido lamentar do que não se possue e interminável busca do inalcansável! Estejam certos de uma coisa, o amor só pode existir em realidade. Não se ama alguém simplesmente se suprimindo a quem se é. Ademais, quem não vê dessa forma, certamente nunca amou, ainda vive entre os personagens de contos de fadas e o desejo de se libertar eminente que não se permite ser visto. Na maioria das vezes isso causa muita dor e sempre acaba mal. Por isso, devemos pensar bem antes do querer se envolver e  ter bem claro essa diferença entre amor e paixão, se não, sempre estaremos vendo como egoísta, aquele que realmente quer construir algo sólido.

Queen - Save Me (Legendado)

Remy Zero Save Me legendado

Só Pode Haver Um!

Em paz
Sem propósitos
Apenas vivendo um dia de cada vez
Nem mais certo nem menos
O trivial
Misto da arrogância que recebo e assimilo sem perceber e a intolerância de não ser ouvido a qual quero insistir possuir
Não sou guerreiro imortal
Sou finito qual todo ser
Infinito em pensares e tosco em viveres
Apenas único do que sei e mais um do que'inda não descobri
Quero quem sou mais do que qualquer coisa ou alguém
Quero quem possa vir por inteiro
Quem me veja por inteiro, não mero reflexo do que pré-materializar, aquela pessoa ideal que só existe em nosso eterno fantasiar de perfeições
Quero construído, não pré-moldado
Quero ser único mas não ser só eu
Quero o amanhecer e o anoitecer, mas não o tempo todo que sufoque
Quero aprender por mim mesmo
Quero dividir o que aprendo
Esse é o primeiro sintoma do que é o amor