segunda-feira, 4 de julho de 2011

Só Pode Haver Um!

Em paz
Sem propósitos
Apenas vivendo um dia de cada vez
Nem mais certo nem menos
O trivial
Misto da arrogância que recebo e assimilo sem perceber e a intolerância de não ser ouvido a qual quero insistir possuir
Não sou guerreiro imortal
Sou finito qual todo ser
Infinito em pensares e tosco em viveres
Apenas único do que sei e mais um do que'inda não descobri
Quero quem sou mais do que qualquer coisa ou alguém
Quero quem possa vir por inteiro
Quem me veja por inteiro, não mero reflexo do que pré-materializar, aquela pessoa ideal que só existe em nosso eterno fantasiar de perfeições
Quero construído, não pré-moldado
Quero ser único mas não ser só eu
Quero o amanhecer e o anoitecer, mas não o tempo todo que sufoque
Quero aprender por mim mesmo
Quero dividir o que aprendo
Esse é o primeiro sintoma do que é o amor

Nenhum comentário: