segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Toque-me


Toque-me
Como se o infinito de tuas lembranças não mais existissem
Como se a sensibilidade que em mim existe
não interferisse em meus dissabores
Toque-me
Fino véu de teu suspirar sobre minha pele,
boca e sorriso
Toque-me como a primeira vez
em que acreditei na tua sinceridade
Como que a desejar criar nuances
onde nem cor nem luz podem alcançar
Toque-me
Após a noite
Durante o dia
Mesmo quando a distância se fizer presente
Toque-me
Como se eu fosse um bebê
Como homem que sou
Toque-me
como um instrumento valioso
tão valioso quanto esse amor que sussurras à meu ouvido

Nenhum comentário: